Et Caetera

Espaço para produções textuais minhas, suas ou para simplesmente contar como foi o dia...

Minha foto
Nome:
Local: Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil

eu sou uma atriz ou eu sou uma gaivota?

quinta-feira, outubro 13, 2011

Detalhes do processo.

Eu, o que eu vejo e aponto e critico e... digo que é bom, nem sempre acho que eu conseguiria
fazer tão bem quanto. Mas tem coisa que eu acho que é ruim e digo e aponto é ruim! Isso não significa que o que eu faça seja bom... aliás, não sei se eu gostaria de ser espectador de mim. Olhar o que eu faço... tenho medo do que eu posso achar até. Tenho pavor de não gostar do que eu vejo, e o que eu ver ser eu mesma. Isso seria horrível. Será que é falta de auto crítica? Mas eu nem falo de crítica não, não é uma questão de criticar entende? É questão de achar ruim o que se é. Eu tenho medo disso. Porque se isso acontece, como é que eu continuo? Sendo eu? É uma pergunta. Tem um detalhe na minha decisão, na minha escolha de vida. É que o que eu faço sou eu, e quando não tá bom, sou eu que não tá bom, é o meu corpo, é o que eu sou. Eu não manipulo um objeto. Eu não aprendo a usar um instrumento, o instrumento sou eu mesma. Fico querendo começar a aprender um instrumento, porque enfim... sai de mim um pouco, eu não tenho extensão de mim no meu trabalho, sou eu e de repente os outros, mas é que sou eu com os outros.

2 Comments:

Blogger Ananda said...

Ah querida, que coisa linda! Tem uma beleza muito grande nessa sua reflexão que é você saber onde está. E só se sabe onde está quando se olha de forma sincera e honesta pra si mesmo. Então você tem medo de se olhar e não gostar do que vê. Mas você já está se olhando e vendo isso tudo! Essa é a parte mais apavorante da vida, que a maioria das pessoas não faz, e você está fazendo de letra! Eu tenho um palpite de que, se você olhar atentamente esse eu do qual você pode não gostar, se você observar sem nenhum pensamento, se você sentir esse enfrentamento pacificamente nas suas entranhas, e respirar através dele, você vai perceber que ele não existe. Quer dizer, a imperfeição das formas é inexorável. Mas a ameaça não é real. Entende?
rs Não precisa aceitar o comentário se não quiser, só queria te dizer isso!

3:38 PM  
Blogger Fernanda Paixão said...

Querida que esse meu post tenha provocado esse seu recado já valeu a pena! o enfrentamento pacífico é a busca. aliás esse texto é uma evasão ao fantasma da eterna auto crítica...

BEIJOS!

7:27 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home