Et Caetera

Espaço para produções textuais minhas, suas ou para simplesmente contar como foi o dia...

Minha foto
Nome:
Local: Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil

eu sou uma atriz ou eu sou uma gaivota?

segunda-feira, janeiro 12, 2009

Vozes Desse Mundo

-Não se aperreie não Alice, minha mana.
O poeta Zé de Nelson já dizia:
Pra onde você for urubu é preto e isso é bacana.

- Não adianta correr desesperado.
Roer a vida toda feito um rato;
Desamar por não ter sido amado;
Matar por um tênis ou um sapato

-Não se aperreie não Alice, minha mana.
O poeta Zé de Nelson já dizia:
Pra onde você for urubu é preto e isso é bacana.


Não vale afinar como faquir
Nem se tornar um lipídio à toa;
Ser mole: manteiga de pudim;
Dureza: pau de fazer canoa.

-Não se aperreie não Alice, minha mana.
O poeta Zé de Nelson já dizia:
Pra onde você for urubu é preto e isso é bacana.

Não basta fugir para as Bahamas
Do medo dos vilões, do dia-a-dia;
Dos fatos, do amor ou das paixões
Dos dilemas que a vida nos premia.

-Não se aperreie não Alice, minha mana.
O poeta Zé de Nelson já dizia:
Pra onde você for urubu é preto e isso é bacana.

Incompleto ser insatisfeito
Em morte chorar o leite entornado
Tal conflito susta no sujeito
Tudo que não pode ser cessado.

-Não se aperreie não Alice, minha mana.
O poeta Zé de Nelson já dizia:
Pra onde você for urubu é preto e isso é bacana.

Bem, fugir não parecer a estratégia
Nem viver abrolhou um outro jeito
Sigamos flutuando peito a peito
Na leveza da vitoria régia

-Não se aperreie não Alice, minha mana.
O poeta Zé de Nelson já dizia:
Pra onde você for urubu é preto e isso é bacana.

Sinto muito quando vejo a vida
Vergar em carapaças humanas
Criatura sem força, viço e cor;
Fugazes, sustáveis e maganas.

-Não se aperreie não Alice, minha mana.
O poeta Zé de Nelson já dizia:
Pra onde você for urubu é preto e isso é bacana.

A utopia grávida de terror,
Pelo sal do tempo corroída.
Palhaços sem vida, de mau humor;
Senis infâncias em desamor.

-Não se aperreie não Alice, minha mana.
O poeta Zé de Nelson já dizia:
Pra onde você for urubu é preto e isso é bacana.

Quando nada se cria do que nascer,
Todos de si mesmo irão fugir;
Sair a esmo sem saber aonde ir,
Mas sempre a trás do outro mundo amanhecer.

-Não se aperreie não Alice, minha mana.
O poeta Zé de Nelson já dizia:
Pra onde você for urubu é preto e isso é bacana.

Lima, Ray
Vol.II do livro Tudo é Poesia parte do texto antropoteátrico "Primeira Estória: alice, a outra".

1 Comments:

Blogger Moacy Cirne said...

Taí, gostei: poesia popular, na medida certa. Na dimensão certa. Valeu! Beijos.

9:22 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home